Saúde Bucal para Empresas

Saúde Bucal do Trabalhador

Hoje o empresário tem uma atuação que se alicerça no princípio da responsabilidade social da empresa, a elevação da qualidade de vida do trabalhador é necessária para uma empresa saudável e produtiva.

As ações voltadas à melhoria da saúde bucal do trabalhador inspiram-se no Plano Qüinqüenal 2000 – 2004, pois serão implementadas dentro das empresas. Os benefícios relacionados à saúde bucal com certeza repercutirão na qualidade do desempenho profissional do trabalhador.

Segundo Ronaldo Sardenberg, precisa-se justamente conjugar desenvolvimento econômico e social, o que não é uma banalidade. É importante trazer a questão social para dentro da formulação econômica. No caso do tratamento odontológico, podemos afirmar que é uma necessidade social para o trabalhador de baixa renda, e que o empresário precisa estar atento para a importância de seu trabalhador ter acesso a este serviço. Além de que a empresa obtém com isso uma vantagem competitiva em relação a outras empresas que não oferecem este benefício.

O peso do Brasil no mundo será diretamente proporcional ao progresso que conseguirmos realizar, sobretudo na melhora das condições de vida da maioria dos brasileiros. Não há dúvida de que o acesso dos trabalhadores a serviços de odontologia dentro da empresa é necessário se o empresário estiver preocupado com o futuro do Brasil; passa a ser uma questão de ética, dignidade e principalmente cidadania. Uma boca saudável é um bem social e um direito individual.

BENEFÍCIOS DO PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL DO TRABALHADOR

Benefícios para a empresa (baseado em Oliveira J.R. e col., 1996):
• Na medida em que busca melhorar a qualidade de vida dos empregados, indiscutivelmente interfere positivamente na qualidade de vida dos empregados, proporcionando um bem estar, auto estima e uma capacidade plena no desenvolvimento de suas funções;
• Aumento da eficiência na força de trabalho pela redução do absenteísmo na jornada de trabalho, mesmo porque os participantes podem se sentir inseridos efetivamente no programa de atenção à saúde, proporcionado pela empresa;
• Proporciona possibilidade de tratamento integral através de sistema de agendamento programado, o que facilita a execução de medidas efetivas de promoção à saúde geral e bucal;
• Unidades odontológicas móveis, com data de capacitação e visitas pré-agendadas, evita o deslocamento excessivo e otimiza a capacidade instalada.
• Centros de atendimento odontológico, canaliza a clientela-alvo (funcionários, para o mesmo local, contribuindo para a sedimentação de novas atitudes e ganhos em saúde.

Benefícios individuais:
• Conhecimento de como surgem as doenças da boca e as formas que se tem de controle e prevenção;
• Diminuir o risco de desenvolvimento de nova doença ou progresso da pré-existente (lesão de carne, doença de gengiva, lesões de mucosa e câncer bucal);
• Permitir que o participante associe as condições gerais de vida e hábitos com o impacto destes sobre a saúde geral;
• Minimizar gastos futuros com retratamentos dentários, na medida em que uma vez recuperada a saúde, participa apenas da manutenção em saúde através de revisões periódicas preventivas;
• Informação e orientação para a prevenção de doenças da cavidade bucal;
• Contribuir para outras medidas de impacto no campo da saúde como prevenção da cárie, doença periodontal, câncer bucal e melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores e da comunidade.

PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL DO TRABALHADOR

O modelo de atenção odontológica tradicional tem dado ênfase quase que exclusivamente ao tratamento curativo das doenças da cavidade bucal o que, infelizmente, é apenas aparente, visto que estas medidas não interferem nas causas reais destas doenças e evidentemente, não promovem a saúde.
Urge a necessidade de implantar um Programa de Atenção Odontológica ao Trabalhador (segundo Dr. Vítor Gomes Pinto SESI/DN) pelas seguintes razões:
• Alta prevalência de doença periodontal e cárie.
• Possibilidade de detecção precoce de câncer bucal e AIDS.
• Cerca de 60% do tempo de vida ativa é despendida no trabalho.
• Redução do absenteísmo e horas perdidas por questões de saúde.
• Aumento da auto – estima e produtividade do trabalhador.
• Representações sindicais consideram o ambiente de trabalho adequado para desenvolver ações de saúde.

Lembramos também que os trabalhadores não tem acesso à saúde pública por incompatibilidade de horários, pois empresas restringem ao máximo saídas em horário de trabalho. A falta de acesso dos trabalhadores às Unidades de Saúde faz com que os problemas se agravem. Além disto os casos de urgência provocam falta ao emprego, o que acarreta em diminuição da produtividade da empresa. Infelizmente o modelo de atendimento odontológico vigente é o do atendimento curativo, que pressupõe a execução de medidas exclusivamente paliativas. Neste modelo, o quadro epidemiológico das doenças bucais mantém-se inalterado, sem usufruir dos benefícios que promoção à saúde bucal pode trazer ao trabalhador.

VANTAGENS DA EMPRESA QUE OFERECE O BENEFÍCIO DO ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO A SEUS TRABALHADORES

O sucesso da empresa depende também do bom estado de saúde de seus trabalhadores. Um cidadão saudável tem grandes chances de ser um trabalhador produtivo. Com certeza a empresa poderá aumentar a sua competitividade no mercado se as condições de saúde bucal de seus trabalhadores for adequada.
Um dos efeitos sentidos de imediato é a diminuição do absenteísmo por idas a tratamentos odontológicos demorados e com resultados pouco efetivos. O absenteísmo “ausente de corpo presente”, em que ele está presente na empresa, mas por sentir dor ou desconforto, sua produtividade fica prejudicada, além do risco de aumentar o número de acidentes de trabalho por falta de concentração.
O resgate da cidadania é outro enfoque que não pode ser esquecido, pois o cidadão brasileiro que não tem acesso à saúde dificilmente será um cidadão saudável, podendo a empresa perder a oportunidade de contar com um trabalhador produtivo.
Os trabalhadores de maior risco para o desenvolvimento de doenças bucais e que portanto devem ter prioridade são:
– os que ganham os salários mais baixos. Infelizmente como nestes as necessidades básicas de alimentação, moradia e vestuário estão num primeiro plano de importância, estes trabalhadores não dispõem de recursos financeiros suficientes para receber um tratamento odontológico.
– os que não visitam um Cirurgião-Dentista a longo tempo.
– trabalhadores de empresas que não possuem planos de saúde ou linha de proteção à saúde bucal dos funcionários.
– trabalham com produção ou venda de doces, chocolates e guloseimas. Estes trabalhadores, pelo fato de estar em contato diário com estes produtos, tem maiores chances, devido ao fácil acesso, de consumir produtos em grandes quantidades, aumentando as chances de aparecimento da cárie dentária (PINTO, V.G. – 1998).

DIRETRIZES BÁSICAS DO PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL DO TRABALHADOR

– Realização de exames epidemiológicos regulares, seguindo o padrão OMS, visando a avaliação da efetividade deste programa.
– Realização de exame bucal padrão.
– Prevenção e tratamento da cárie coronária e radicular.
– Prevenção e controle da doença periodontal.
– Alerta sobre os riscos do “fumo e álcool” para saúde bucal.
– Detecção de lesões iniciais do câncer, AIDS e outras doenças sistêmicas.
– Estimular o auto cuidado da saúde bucal através de técnicas diretas.
– Remoção de focos dentários

ESTRATÉGIA DE ATENÇÃO

O sucesso do programa depende não somente da atenção técnica dos profissionais, mas também da interação com a empresa e trabalhadores. O programa pretende integrar ênfase, não só as ações preventivas mas, por força da faixa etária de abrangência, impõem-se a relevância de ações curativas, tendo em vista ser o mesmo direcionado à população adulta e por isso mesmo, a probabilidade de apresentarem experiência de doença pose ser relativamente alta. O levantamento epidemiológico objetiva buscar uma resposta. Dessa forma, o programa pretende integrar o binômio prevenção / cura a partir da compreensão de que o processo saúde / doença não é algo estático, ao contrário, acredita-se ser resultado da interação de fenômenos de origem biológica e social.
Desenvolver uma educação continuada junto aos trabalhadores a fim de que percebam, de forma definitiva, os benefícios dos cuidados específicos com sua saúde bucal e despertem para as necessidades de uma saúde de corpo inteiro.
Informações sobre a doença – tem como propósito fornecer ao paciente informações a respeito da etiologia, causas e forma de controle e/ou tratamento, a fim de capacitá-lo a entender melhor as recomendações e orientações passadas pelo profissional ou equipe de saúde. Além disso, para que se conscientize de que há possibilidade de prevenir essas doenças através de auto-cuidados.Instrução sobre higiene bucal – o paciente recebe instrução/educação sobre os vários métodos de remoção e controle de placa dental como: evidenciação de placa, o que é placa, técnica adequada de higienização da boca, uso de fio/fita dental, dispositivos especiais, escova interdental, quando, como e por que higienizar. Enfocar também, aspectos de relevância social da saúde bucal, realização de campanhas nas empresas promovendo a saúde, folders, afixação de cartazes sugestivos em locais estratégicos, etc.
Trabalhador assistido pode se transformar em agente do tratamento e não apenas paciente, à medida em que aprende como cuidar da saúde bucal própria, bem como da família, no caso dos adultos. Dessa forma possibilita que cada participante passe a ser um multiplicador de informações relativas a cuidados de atenção odontológica. Uma boca saudável representa acima de tudo, um bem social e um direito individual.
Há que se enfocar ainda, aspectos relativos ao tratamento da causa da doença, a fim de romper com o modelo tradicional curativo e já ultrapassado de manejo da doença, “vai ao dentista, recebe tratamento dos dentes, aguarda para quando deteriorar, retornar para novo tratamento” e assim sucessivamente, até atingir a velhice com poucos dentes ou quiçá, sem eles. Esse modelo “curativo” de ênfase apenas nas conseqüências da doença, gera necessidades sempre crescentes de atenção, sem no entanto, lograr os absolutos benefícios que se faz sentir se a ênfase recair sobre a causa, como se tem observado em alguns estudos para-governamentais realizados por exemplo em Porto Alegre, Vitória, Piracicaba , em relação ao índice CPOD aos 12 anos que reduziu para indicadores próximos de 3.

DIRETRIZES OPERACIONAIS

O planejamento das ações de saúde será feito com base na realidade local. Por esta razão será realizado um levantamento da situação bucal seguindo o padrão da OMS nos trabalhadores. As ações voltadas à promoção da saúde bucal terão como ênfase medidas de combate à cárie, doença periodontal e câncer bucal. A realização do exame bucal com qualidade, buscando a detecção precoce de lesões de câncer e diagnóstico da situação gengival/periodontal é uma das metas principais deste Programa. Modelo de Trabalho de Saúde Bucal deve conjugar a promoção da saúde com execução de medidas preventivas diretas, exame bucal com qualidade, visando diagnóstico precoce e tratamento odontológico na Unidade Móvel.

A assistência odontológica ao trabalhador deverá ser prestada no local de trabalho. O atendimento poderá ser prestado em módulos de promoção à saúde e unidades móveis.

MÓDULO 1 – PROMOÇÃO À SAÚDE BUCAL

Ao realizar ações que possam ser vistas por todos – no pátio das empresas – alcançaremos um maior impacto e poderemos contar com adesão de funcionários de todos os níveis. Ficará desta forma mais visível e concreta a operacionalização da promoção à saúde bucal executada de uma forma personalizada.

PROGRAMA DO CURSO NOS TREINAMENTOS

– Saúde bucal é saúde da empresa.
– Programa de Saúde Bucal do Trabalhador.
– Exame bucal padrão.
– Doença Periodontal: como prevenir, diagnosticar e tratar.
– Detecção precoce do câncer bucal, baseando-se em riscos e rede de referências .
– Alerta aos fumantes.
– Desmistificação no atendimento odontológico ao trabalhador HIV.
– Diagnóstico e tratamento das doenças bucais mais freqüentes em trabalhadores.
– Reconhecimento precoce de doenças sistêmicas com manifestação bucal.
– Como realizar o levantamento epidemiológico da situação bucal de trabalhadores.
– Padrão OMS.

PRÁTICA

– Exame bucal padrão.
– Promoção à saúde bucal por riscos e personalizada.
– Diagnóstico da doença periodontal.
– Levantamento epidemiológico da situação bucal .
– OMS – Treinamento prático do uso da ficha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *